• Neto afirma que tenta negociação entre empresários e rodoviários: Todo mundo perde com a paralisação

Neto afirma que tenta negociação entre empresários e rodoviários: Todo mundo perde com a paralisação

17 de maio de 2018 \\ Geral

Após os rodoviários anunciaram que decidiram realizar uma paralisação no próximo domingo (20), o prefeito ACM Neto afirmou, na tarde deste quinta-feira (17), que "todo mundo perde com a paralisação" e que a prefeitura está tentando intermediar uma negociação entre empresários e trabalhadores para evitar que os ônibus parem de circular.

"De fato é uma relação direta dos empresários, do sindicato patronal, e o sindicato dos rodoviários. Todas as vezes que teve sinalização de greve, paralisação, nós entramos, sentamos à mesa, chamamos um lado os empresários, de outro lado os trabalhadores, pra tentar ajudar a construir um entendimento. Não é a prefeitura que tem o pode de dizer se o reajuste vai ser de 1%, 2%, 6% ou 0%. Nós tentamos intermediar, e sempre o meu trabalho foi nesse sentido, pra evitar a paralisação. Todo mundo perde com a paralisação: perde trabalhador, perde empresário, perde o cidadão que depende do ônibus, perde prefeitura porque tem que montar todo um esquema especial para enfrentar as paralisações", explicou o prefeito no programa Balanço Geral Tarde, da RecordTV Itapoan. 

ACM Neto contou que desde cedo recebeu a noticia sobre a paralisação dos rodoviários e está tentando, junto com Fábio Mota, secretário municipal de Urbanismo e Transporte, sensibilizar a categoria para que a manifestação seja suspensa. 

"Fábio Mota está conversando com um lado e o outro para tentar construir um clima para que haja um entendimento e eu espero que ele possa acontecer. Exatamente para que a cidade não pague um preço alto por uma paralisação que depois, inclusive, poderia resultar numa greve. Nenhum de nós deseja isso e eu garanto que nós vamos, no limite do esforço, intermediar pra evitar que o mal pior aconteça pra cidade", concluiu Neto.

Os rodoviários decidiram pela paralisação em assembleia nesta quinta-feira. A categoria está há quatro meses em campanha salarial e quer 6% de reajuste, aumento de 10% no ticket alimentação, entre outras reivindicações. Na manhã desta quarta-feira (16), eles atrasaram a saída dos ônibus, em Salvador.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE