• Com protestos contrários da APLB Feira, projeto que assegura leitura bíblica nas escolas é aprovado na Câmara Municipal de Feira

Com protestos contrários da APLB Feira, projeto que assegura leitura bíblica nas escolas é aprovado na Câmara Municipal de Feira

19 de outubro de 2017 \\ Geral

Trabalhadores em educação e a diretoria da Aplb Feira foram à Câmara Municipal na manhã desta quarta-feira, 18, protestar contra o Projeto de Lei de Nº 162/2017, do vereador Isaías de Diogo, que propõe assegurar a leitura bíblica nas escolas públicas e privadas do Município de Feira de Santana. Mesmo com os protestos na galeria, o projeto foi aprovado na 2ª discussão.

A aprovação do projeto deixa explícita a falta de respeito dos vereadores em relação à educação do município, onde são aprovados projetos que não trazem benefícios para a comunidade escolar e que sequer foram discutidos com os professores, contudo os mesmos não investigam as denúncias feitas pelos trabalhadores em educação sobre a precariedade na estrutura de algumas escolas municipais, que inclusive oferecem riscos a integridade física de alunos e trabalhadores em educação, como a situação da Escola Municipal Firmino José de Brito, que oferece um local insalubre, e encontra-se com infestações de escorpiões e pardais, e uma cobra que “mora” na unidade escolar, segundo os professores desde 2014. Ou mesmo a Escola Creche Dalva Suzart que deveria funcionar em tempo integral, mas está funcionando apenas no turno matutino devido à falta de chuveiro para higienização das crianças. Podemos destacar também a falta de respeito com a educação, quando os vereadores não cobram do executivo a reformulação do Plano de Carreira da categoria, que é de 1992. A omissão dos vereadores com a perseguição pelo Governo Municipal aos trabalhadores em educação, a exemplo da Professora Jussara Pinho, que foi devolvida da Escola onde atuava tendo seu salário cortado, e sobre o corte nos salários dos professores, após a greve deste ano. Além disso, não cobram do Governo Municipal o cumprimento do acordo feito com a APLB Feira para o fim da greve deste ano, no que diz respeito à alteração de carga horária de 20h para 40h.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE